Jorge Moll realiza experimento que comprova a importância do altruísmo para o cérebro

De acordo com a ciência, fazer o bem é uma prática que pode ser muito positiva para os seres humanos, seja através da doação monetária ou simplesmente na doação do tempo e da atenção a ações e causas voluntárias. Quem constatou essa premissa foi o neurocientista Jorge Moll Neto, que é o atual presidente do Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino (IDOR), em parceria com o psicólogo João Ascenso, que também é estudante de doutorado do Instituto.

Isso foi revelado em um experimento responsável por realizar o mapeamento cerebral através de uma ressonância magnética funcional. Nele, os pesquisadores analisaram que as regiões do cérebro que recebem estímulos por atividades e situações que provocam felicidade prazer, as quais são chamadas de “centros de recompensa”, também eram “estimuladas” quando os indivíduos faziam doações para instituições e projetos de caridade. E o estímulo demonstrou ser tão intenso quanto nas ocasiões em que esses indivíduos ganham alguma coisa para si próprios.

Essa pesquisa do neurologista Jorge Moll Neto e do psicólogo João Ascenso ainda confirmou que a prática do bem também estimula outras duas partes do cérebro, a área septal e o córtex subgenual, ambas ligadas aos sentimentos de pertencimento e apego. Essas áreas estão relacionadas, por exemplo, aos sentimentos que as mães sentem pelos filhos e a união entre casais.

De acordo com Jorge Moll Neto, quando um indivíduo atua em prol de uma causa importante, automaticamente é ativado um princípio cerebral que foi gradualmente desenvolvido em milhares de anos para fortificar os laços de pais e filhos, de casais e de amigos.

O Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino é uma entidade sem fins lucrativos, cujo objetivo é promover o desenvolvimento tecnológico e científico na área da saúde. Para isso, o instituto promove várias iniciativas nos campos da pesquisa e do ensino, sendo que a Coordenação de Pesquisa tem como focos as áreas da medicina interna, medicina intensiva, pediatria, neurociência e oncologia.

Nos dias de hoje, o Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino conta com um programa próprio de Doutorado na área de Ciências Médicas, além de parcerias ativas com universidades federais e estaduais do Rio de Janeiro, e inúmeras outras instituições de ensino e pesquisa no Brasil e no exterior.

Desde o ano de 2010, o IDOR atua de maneira independente e conta com uma sede própria, mas a origem do instituto está diretamente conectada a rede de hospitais D’Or São Luiz, que é a principal operadora independente de hospitais no país, criada pelo médico e empresário Jorge Moll Filho.

Após vários anos de trabalho árduo na área da saúde, a rede fundada por Jorge Moll Filho é formada atualmente por mais de trinta hospitais, sendo dois deles sob gestão, o Hospital da Criança e o Hospital Israelita. Em números, a rede D’Or São Luiz conta com mais de 5 mil leitos operacionais, 38 mil colaboradores e quase 90 mil médicos. Além disso, anualmente os hospitais da rede realizam mais de 3 milhões de atendimentos emergenciais e quase 25 mil partos.